Seg06262017

Última atualizaçãoQui, 22 Jun 2017 6pm

Cultura

Música

2º Festival de Violões José Lucena Vaz

Evento reúne instrumentistas e alunos em Ouro Branco.

De 11 a 13 de novembro, encontro traz para Minas intensa programação de concertos, oficinas e convidados como o argentino Eduardo Isaac

O Festival de Violões José Lucena Vaz de Ouro Branco prepara a sua segunda edição, realizada entre 11 e 13 de novembro. O evento traz para o interior de Minas uma programação artística e pedagógica de qualidade internacional.

Para muitos, o violão é o mais democrático dos instrumentos. Seja pela facilidade de acesso, mobilidade ou pelo som, sempre há um violão nos mais diversos ambientes. Porém, o acesso ao ensino – principalmente do violão erudito - ainda é um desafio no Brasil. Por isso, uma das principais propostas do Festival de Violões é promover a democratização desse aprendizado. “Queremos fazer uma espécie de fechamento do ciclo de atividades que englobam o ensino do violão na cidade, mais precisamente dos alunos de violão da Casa de Música de Ouro Branco, referência na região”, ressalta Leonardo Amorim, diretor do evento.
O festival novamente homenageia o violonista e professor mineiro José Lucena Vaz, instrumentista ímpar de Minas Gerais. “Podemos dizer que essa edição é a continuação do trabalho do ano passado. José Lucena Vaz muito contribuiu com o ensino do violão no nosso país e em Ouro Branco, onde deu masterclasses e acabou influenciando diretamente os alunos da cidade”, explica Leonardo.
Todos os concertos serão realizados na sala Ouro Preto do Hotel Verdes Mares, sempre às 20h. A programação tem início no dia 11 de novembro (sexta-feira), com a apresentação do Duo ReisBarbeitas, formado pelo violonista Flavio Barbeitas e pela pianista Carla Reis. A proposta do duo, além da divulgação do repertório camerístico geral para violão e piano, é também ilustrar algumas confluências histórico-estilísticas desses dois instrumentos, protagonistas do que de melhor se produziu na música de concerto no Brasil.

Já no dia 12 de novembro (sábado), será a vez do violonista Thiago Colombo se apresentar. Professor do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas, Colombo é Bacharel e mestre em música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente desenvolve o projeto doutoral de pesquisa artística intitulado “Violão e Mestiçagem na América Latina: Performance Musical e Identidades Culturais”, na Universidade Federal da Bahia. O violonista prepara para 2017 o lançamento de seu terceiro álbum, Latin Guitar Connections, gravado na Bath Spa University, em Bath (Inglaterra).

O encerramento será no domingo, 13 de novembro, quando o público terá a chance de apreciar o concerto do argentino Eduardo Isaac, que o jornal Público, de Portugal, chamou de “uma das grandes personalidades mundiais do violão”. Isaac já foi premiado em importantes concursos internacionais como o “Infanta Cristina” (Madrid), o “Andrés Segovia” (Palma de Mallorca) e o “Rainha Fabiola” (Namur). Atualmente, leciona em reconhecidas universidades da Argentina e realiza masterclasses em diversos países, como Estados Unidos e Brasil. Compositores de diferentes países dedicam a Isaac concertos e obras para violão solo, enquanto seus arranjos e transcrições exploram novas linguagens na estética do instrumento.

O repertório de todos os concertos é bastante diversificado. “Teremos música brasileira e argentina, composições e arranjos escritos pelos próprios interpretes, com destaque para o repertório de Thiago Colombo, que é quase todo autoral”, explica Leonardo Amorim.

Além disso, os alunos de violão de Casa de Música de Ouro Branco – com idade entre 10 e 17 anos - e inscritos de outras cidades terão a chance de participar de masterclasses com Colombo e Isaac, também no Hotel Verdes Mares. “É uma oportunidade única de conviver de perto com violonistas com carreira internacional consolidada, mas que são também professores e podem contribuir com a formação e, talvez, até com a escolha futura de uma profissão”, conta Amorim.

Serviço:

Todos os concertos têm entrada gratuita.

O festival tem patrocínio da Prefeitura de Ouro Branco, por meio do Fundo Municipal de Cultura.

Programa

13º Festival de Violões José Lucena Vaz de Ouro Branco

11 de novembro de 2016
Sexta-feira – 20 horas
Sala Ouro Preto – Hotel Verdes Mares

 Duo ReisBarbeitas
Violão: Flavio Barbeitas
Piano: Carla Reis

PROGRAMA

Choros nº 1, Valsa-choro e Prelúdio n 2 Heitor Villa-Lobos
(1887-1959)


Rememórias (Embolada, Cantilena, Caboclinhos) Malos Nobre
(1939)


Serenade op. 50 Malcolm Arnold
(1921-2006)


Miniaturas Roberto Victório
(1959)


Valsa Hudson Lacerda
(1977)


Fantasia op. 145 (Allegretto - Vivacissimo) Mario Castelnuovo-Tedesco
(1895-1968)

13 de novembro de 2016
Sábado – 20 horas
Sala Ouro Preto – Hotel Verdes Mares

 Thiago Colombo – violão

PROGRAMA

Primeira parte:

Prelúdio – Bachianas Nº 4 Heitor Villa-Lobos (Arr. Marcel Estivalet)

La Chucara Lucio Yanel

El Abuelo Thiago Colombo

Requiem For a MinC Thiago Colombo

É D'Oxum G. Santana (Arr. Thiago Colombo)

Tristeza do Jeca A. Oliveira (Arr. Thiago Colombo)

La Toqueteada Thiago Colombo

Segunda parte:

One For Helen(a) Thiago Colombo

Pro Santinho Thiago Colombo

La Sencillita Thiago Colombo

La Inconsecuente Thiago Colombo

Noturno (After Nei Lisboa's “Pra te Lembrar”)

Lamento Sertanejo Dominguinhos-Gil (Arr. Thiago Colombo)

Otoño Porteño Piazzolla (Arr. Sérgio Assad)


13 de novembro de 2016
Sábado – 20 horas
Sala Ouro Preto – Hotel Verdes Mares


 Eduardo Isaac

PROGRAMA

Primeira parte:

FANTASIA V, original para Violino
Allegro
Andante
Allegro Georg Ph. Telemann
(transcrição: E. Isaac) (1681-1767)


ANTIGUAS DANZAS ESPAÑOLAS

- Españoleta
- Corranda
- Pavana
- Rujero y Paradetas Gaspar Sanz / Abel Carlevaro
- Pasacalle (1640-1710) (1916-2001)


1) PLATERO y YO, Opus 190
- La Primavera
- A Platero en el cielo de Moguer Mario Castelnuovo-Tedesco
2) RONDO Opus 129 (1895-1968)

Segunda parte:

MILONGA Domingo Oyarzún
- dedicada a Eduardo Isaac (Ríos Gallegos, Argentina)

QUATRO PEÇAS BRASILEIRAS
- Toada
- Frevo
- Valsa Radamés Gnattali
- Toccata em ritmo de samba (1906-1988)


TANGOS, VALSES Y MILONGAS ARGENTINAS
- Balada para um organito loco Astor Piazzola (1921-1992)
- Volver Carlos Garxel (?-1935)
- Danzarín Julián Plaza (1928-2003)

Show

Força Vocalis

Pré-lançamento do CD "Festivais" de volta às origens.

Um dos maiores grupos musicais de Minas, realiza na próxima sexta-feira (5/11) na sede do Cine Teatro Leon, às 21 horas, à rua Padre Antônio Corrêa 212, centro de Congonhas/MG, um grande show resgatando toda origem do grupo.

O show é o Pré-lançamento do CD "Festivais" e vai ser mesclado com músicas do quinteto e artistas já consagrados no cenário artístico musical da MPB - Música Popular Brasileira.

Nesse lançamento, o grupo apresenta trabalhos que já participaram e foram premiados em festivais da canção pelo Estado de Minas Gerais. Os ingressos serão a preços populares, a oportunidade é imperdível e o momento inesquecível.

Foto: Grupo Força Vocalis

Concerto

Banda alemã

Apresentação acontece hoje em Carandaí.

Nesta terça-feira (11/10), a partida das 21h00, haverá, no terminal rodoviário de Carandaí, o Concerto da Banda Alemã sob a regência do Maestro Rolf Kaiser. Apresentado pela Corporação Musical Santa Cecília de Carandaí, em parceria com a Prefeitura Municipal, Cassintur e Nova Loja, o concerto contará com o melhor da boa musica clássica.

Intercâmbio Cultural
Esta é a segunda apresentação na cidade, no ano anterior um intercâmbio musical foi realizado com a presença dos músicos.

Foto: Divulgação / Editoria de Arte - PMC

Música

Congonhas recebe "Minas ao Luar"

Um projeto de valorização da música brasileira e das culturas populares tradicionais.

Os ritmos marcantes do Congado e a música tipicamente brasileira prometem encantar Congonhas. Neste sábado, 29, a cidade receberá o "Minas ao Luar", realizado pelo Sesc Minas, em parceria com o Governo Municipal, através da Secretaria Municipal de Cultura, e com o Sindcomércio, e apoio da Rede Globo.

A apresentação, que será na Praça 7 de Setembro, na Matriz, às 20h30, terá a participação da Associação Guarda de Marujo Marinheiros Sereia do Mar, do bairro Residencial. O evento terá presença, ainda, do grupo Canela de Ema, de Ouro Branco, e do animador cultural, Gonzaga Medeiros.

O "Minas ao Luar" é um projeto de valorização da música brasileira e das culturas populares tradicionais, por meio de apresentações artísticas gratuitas e de qualidade. Promove o diálogo e intercâmbio com as manifestações culturais tradicionais locais e leituras contemporâneas.

Artistas
A Associação Guarda de Marujo Marinheiros Sereia do Mar foi fundada em 1995 em Congonhas. Além de participar ativamente das festas tradicionais do Município, a entidade promove oficinas, como a de tambor, e incentiva a cultura e a arte.

O Canela de Ema trabalha com canções autorais e releituras de grandes clássicos. Criado em 2008, em Ouro Branco, o nome do grupo vem de uma planta encontrada na serra da cidade, fazendo alusão ao ponto de encontro dos integrantes, já que cada um é de um lugar diferente de Minas.

Trânsito
A Diretoria de Trânsito, por meio de seu Departamento Operacional, informa que o trânsito da Praça 7 de Setembro, na Matriz, será interditado nesta quinta-feira, 27, às 7h, para a preparação do Minas ao Luar. O tráfego será liberado somente no domingo, 30, às 14h.
Veículos leves poderão trafegar atrás e dos lados da Igreja da Matriz de Nossa Senhora da Conceição.

Foto: Divulgação Secom/ PMC

11ª Semana da Música

Apoio da artista Matilde Queiroz

Artista Matilde Queiroz doa tela para ser sorteado entre apoiadores da Semana da Música.

A primavera chegou também em nossa campanha da Semana da Música.A artista plástica Matilde Queiroz doou um de seus belos quadros da série "Orquídeas" para a Casa de Música (foto).

A obra de arte será sorteada entre os colaboradores que doarem mais de R$100 (cem reais). Matilde Queiroz entrou no mundo das artes ainda na infância, quando desenhava flores para colorir, bordava e pintava. Aos 14 anos participou de uma oficina de artes plásticas em Ouro Preto, onde começou a aperfeiçoar as técnicas. Depois disso, não parou mais. Hoje, Matilde é pós-graduada em Arte-Educação e dedica sua carreira ao ensino e ao trabalho autoral que desenvolve em seu ateliê, em Ouro Branco. Atualmente, toda a delicadeza da série "Orquídeas" pode ser vista em uma exposição no restaurante O Passo, na cidade de Ouro Preto. 

Leia a entrevista que fizemos com a artista:
1) Como você iniciou o trabalho com pintura?
MQ: Na infância, eu gostava muito de colorir. Minha mãe desenhava flores, muitas flores e fui colorindo. Com ela aprendi a desenhar, bordar e pintar com guache. Aos 14 anos participei da oficina de Artes Plásticas do IV Festival de Inverno da UFMG, em Ouro Preto, onde comecei a aperfeiçoar o meu desenho, conheci outras técnicas de pintura e aprendi a fazer xilogravura. Foram vários festivais, oficinas, aulas em ateliês de artistas, workshops... Em 1990, criei um ateliê junto à minha residência, onde comecei a ensinar várias técnicas de desenho e pintura, para crianças e adolescentes. Pós graduada em Arte educação pela UEMG, me dedico ao ensino de arte e ao trabalho autoral em meu ateliê em Ouro Branco.

2) Como você definiria seu estilo?
MQ: Pesquisei diversas linguagens artísticas como o desenho, a pintura, a cerâmica, experimentando inúmeras possibilidades expressivas das linhas, formas, cores, materiais e suportes, sem seguir um estilo único. Gosto da experimentação, do fazer manual. Tenho um trabalho artístico totalmente diversificado. A técnica da pintura em aquarela me encanta pela leveza e transparência do desenho e da pintura, trabalhando a luz e a cor de forma bem sutil. Do mesmo modo, a pintura em porcelana tem me fascinado por sua execução suave, singela.

3) Onde você já expôs?
MQ: Na época da minha graduação, em Direito, em Conselheiro Lafaiete, participei de exposição de arte na faculdade, promovida pelo Diretório Acadêmico e fui agraciada com troféu de honra ao mérito pelo quadro "Fazendinha", do museu Abílio Barreto de BH. Expus meus quadros em diversas feiras livres, em Lafaiete e Ouro Preto. Em Ouro Branco, participei de exposição coletiva na sede social da AEA. Atualmente , desde o dia 15 de Setembro, meus quadros de aquarelas e pinturas em porcelanas, retratando orquídeas, estão expostos na galeria do Restaurante O Passo Pizza Jazz, em Ouro Preto.

4) O que você pode nos dizer sobre o quadro que doou para a campanha da Casa de Música?
MQ: Preparando para a minha exposição em Ouro Preto, surgiu a ideia de doar um quadro com uma aquarela, para a campanha de financiamento para a realização da 11a Semana de Música de Ouro Branco. Esta aquarela é parte de uma série sobre orquídeas, que realizei para celebrar a primavera. A orquídea que pintei, segundo o orquidófilo Carlos Alberto Salgado, é uma "BLC Alma Kee".

5) Por que você resolveu colaborar com o projeto?
MQ:Tenho acompanhado, desde o seu início, o trabalho persistente, cuidadoso, eficiente da Kênia Libânio, com educação cultural através da música, em Ouro Branco. Trabalho de altíssima qualidade, que nos deixa com muito orgulho. Ninguém realiza sozinho, um trabalho deste, de alcance e reconhecimento internacional. É preciso apoio, parcerias, e nós temos que ajudar, incentivar, pois acreditamos neste projeto da Casa de Música. Através da educação musical o indivíduo adquire conhecimento, aprende a tocar um instrumento musical e passa a apreciar uma peça, um concerto, um obra de arte. Acredito no poder transformador da arte, não só para o desenvolvimento da subjetividade, mas também para o crescimento profissional.

6) Faça um convite para as pessoas que ainda não colaboraram!
MQ: Reconheço a importância da Semana de Música para nós, como oportunidade de apreciar concertos de música erudita de altíssima qualidade. Acredito que todos podem colaborar. Convido-os a participarem deste projeto, pois tenho certeza que será gratificante.


SEJA VOCE TAMBÉM UM COLABORADOR DA SEMANA DA MÚSICA DE OURO BRANCO!
Este ano, a Semana da Música conta com o apoio da comunidade para realizar a décima primeira edição. Não podemos deixar nossa história parar!
Doando qualquer quantia você se torna um dos realizadores de nosso festival. Sua participação é essencial para darmos continuidade a essa trajetória! Sem você corremos o risco de não ter a Semana da Música!
Todo e qualquer valor é importante para alcançarmos nossa meta.
Iremos realizar os concertos e as atividades de acordo com os valores arrecadados.
Veja mais detalhes e saiba como contribuir:
Nossa Meta: R$30.000,00
Dados para doação:
Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco
CNPJ: 04.479.160/0001-16
Banco Santander: 033
Agencia: 3824
C/C 13000115-6
Não esqueça de fazer o depósito identificado ou enviar o comprovante para podermos divulgar seu nome!
Para informações, entre em contato com a Casa de Música de Ouro Branco.
Telefones: (31) 3742-3553 (31) 3742-3553/ (31) 98752-7075 (31) 98752-7075
Site: www.casademusica.org
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">

“Banda INK”

Filhos da cultura musical

Em uma cidade onde a música aflora pelas pedras históricas, eles lançam seu “EP”.

Depois do renomado Grupo Escaravelhos, onde o cantor da MPB Vando fez história, o concertista e maestro internacional Marcus Vinicius, hoje com residência na Itália, os apaixonantes músicos e irmãos do Grupo Força Vocalis, entre outros infindáveis músicos e cantores de Congonhas/MG que marcam histórias e melodias, surge agora a Banda INK com seu novo “EP”.

Saiba o que é “EP”

Significa ”Extended Play”. Na prática, trata-se de um CD com menos faixas que o tradicional (geralmente, de três a cinco trabalhos autorais). A novidade já é consolidada no exterior, mas, de uns meses pra cá, os artistas brasileiros também tem apostado neste formato para divulgar suas musicas.

A Banda INK

Criada em 2014 pelos bairros, na cidade dos profetas, a banda é formada pelos músicos Ricardo Reis, Marcelo Heidenreich, Vinícius Resende e Sergio Pierre. Em 2015 a banda pop recebeu o Prêmio Mineiro da Música Independente na capital “Belo Horizonte”, no Teatro Francisco Nunes.
A capa do novo trabalho intitulado ‘Óculos’, tem assinatura do artista congonhense Hernando Rocha. A banda produziu cinco “Lyric Videos”, que ampliam o tema das letras.

“Lyric Videos”

Com a consagração do videoclipe nos canais de TV especializados e se tornando um dos principais meios de promoção da música e do artista, o formato agora migra para a maior rede de computadores, a internet é assim, possibilita o desenvolvimento de novas estéticas, como por exemplo, os chamados “lyric vídeos”.

Saiba mais
Imperdível e recomendado pela redação do Estadoatual

- www.youtube.com/bandaink / www.soundcloud.com/bandaink.

Museu de Congonhas

Apresentação faz parte do projeto Caixa Acústica

Um encontro musical entre a cantora Dona Jandira e o músico Túlio Mourão

O Projeto Caixa Acústica, iniciativa apoiada pela Gerdau, promove nesta quarta-feira dia 14 de setembro, o encontro musical entre a cantora Dona Jandira e o pianista e arranjador Túlio Mourão no teatro do Museu de Congonhas.
Os artistas foram escolhidos por meio de um edital, que contou com a concorrência de vários artistas da cidade. O espetáculo será realizado às 20h e os ingressos - R$ 2 cada - podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.
O Projeto Caixa Acústica conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (FUMCULT) e da Prefeitura Municipal de Congonhas, com produção executiva da TW Cultural de Belo Horizonte, e o patrocínio da Gerdau, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Sobre os artistas
Dona Jandira e Túlio Mourão  (foto) são dois veteranos da cena musical. Nascida em Maceió (AL), mas radicada em Minas Gerais, Dona Jandira começou sua carreira profissional com mais de 60 anos. Logo, o seu estilo de tocar e cantar cativou a nova geração, se tornando uma grande atração nos principais projetos musicais mineiros.

Já o músico Túlio Mourão tem uma consolidada carreira instrumental, tendo participado de grandes encontros musicais no Brasil e no exterior. Já participou de discos e shows de alguns dos mais importantes artistas nacionais, dentre eles Milton Nascimento e Maria Bethânia. Mas também desenvolveu um elaborado trabalho solo, marcado pelo jazz e MPB, inclusive como compositor.

A cantora Dona Jandira e o pianista e arranjador Túlio Mourão apostam na força gerada pelo encontro de melodias cativantes, capturadas do universo da manifestação popular com o contexto da sofisticação instrumental. Neste encontro, eles apresentarão músicas como Nada além (Mário Lago e Custódio Mesquita), Eu sei que vou te amar (Tom Jobim e Vinícius de Moraes), Só você (Only You, de Buck Ram, versão de Júlio Nagib), Feitiço da Vila (Noel Rosa), Smile (Charles Chaplin) e Maracangalha (Dorival Caymmi).

Serviço:
Projeto Caixa Acústica – Dona Jandira e Túlio Mourão
Data: 14 de setembro, às 20h.
Ingressos: R$ 2,00
Local: Museu de Congonhas (Rua Bom Jesus, 250).
Informações: (31) 3731-3979

Foto: Divulgação 

Chegou o dia

Projeto Caixa Acústica

Em cartaz na cidade cultural Chico Amaral e Flávia Ellen

O Projeto Caixa Acústica continua a sua programação de shows no Museu de Congonhas, desta vez apresentando o encontro musical entre a cantora e compositora Flávia Ellen e o saxofonista e compositor Chico Amaral. O espetáculo acontece nesta quarta-feira, 19, às 20h, no teatro de arena do centro cultural. Os ingressos custam R$ 2 e podem ser adquiridos antecipadamente na bilheteria do museu.

Caixa Acústica tem patrocínio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais por meio da Gerdau, o apoio da FUMCULT e da Prefeitura Municipal de Congonhas e a produção executiva da TW Cultural, de Belo Horizonte.

O show mistura elementos da música popular brasileira com pop, jazz e samba. No repertório canções autorais de Ellen, como Arabesco, Descompasso, A chegada (parceria dom Rosângela Maluf), Lunático, Quase sem vergonha (as duas últimas são parceria com Erler Gomes); e canções de Chico Amaral e parceiros, como Tempo de samba (parceria Leo Minax), Simplesmente (parceria com Samuel Rosa), Bodas, Singular e Panamericana (parceria com Flávio Henrique). Na banda, participações de Clayton Neri (violão) e Leonardo Lana (percussão).

Artistas
Flávia Ellen começou sua carreira em 2007, em bares na capital mineira. Em 2012, realizou seu primeiro show autoral no Centro Cultural da UFMG. No ano seguinte, foi indicada ao Prêmio Nova Canção, do Canal Multishow. Participou, também, do quadro Mulheres que Brilham, doPrograma Raul Gil (2014) e foi finalista da fase nacional do Festival de Música e Poesia de Paranavaí (PR, 2014).

O saxofonista e letrista Chico Amaral é conhecido por grandes sucessos de sua parceria com Samuel Rosa, na banda Skank. A partir daí, suas letras tornaram-se conhecidas e seu nome foi requisitado por vários artistas brasileiros, como Beto Guedes, Ed Motta, Erasmo Carlos, Lô Borges, Juarez Moreira, Milton Nascimento e outros.

Próximas atrações:
16 de novembro – show de Regina Milagres e Silvia Maneira
14 de dezembro – show de Trio Amadeus e Kadu Vianna

Foto: Divulgação / Por Secom

Casa de Música

11ª Semana da Música

Música- Apoiei essa ideia

Dando continuidade a divulgação da nossa campanha: 11ª Semana da Música- Apoiei essa ideia, a Casa de Música apresenta o recital de alunos e professores.

Serviço

Local: Campus da UFSJ- Ouro Branco - Sala da PROEX ao lado da Biblioteca
Data: 25 de agosto- quinta -feira
Horário: 17:00

Esperamos vocês!

Sub-categorias