Sab04292017

Última atualizaçãoSab, 29 Abr 2017 2pm

Cultura

Chegou o dia

Projeto Caixa Acústica

Em cartaz na cidade cultural Chico Amaral e Flávia Ellen

O Projeto Caixa Acústica continua a sua programação de shows no Museu de Congonhas, desta vez apresentando o encontro musical entre a cantora e compositora Flávia Ellen e o saxofonista e compositor Chico Amaral. O espetáculo acontece nesta quarta-feira, 19, às 20h, no teatro de arena do centro cultural. Os ingressos custam R$ 2 e podem ser adquiridos antecipadamente na bilheteria do museu.

Caixa Acústica tem patrocínio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais por meio da Gerdau, o apoio da FUMCULT e da Prefeitura Municipal de Congonhas e a produção executiva da TW Cultural, de Belo Horizonte.

O show mistura elementos da música popular brasileira com pop, jazz e samba. No repertório canções autorais de Ellen, como Arabesco, Descompasso, A chegada (parceria dom Rosângela Maluf), Lunático, Quase sem vergonha (as duas últimas são parceria com Erler Gomes); e canções de Chico Amaral e parceiros, como Tempo de samba (parceria Leo Minax), Simplesmente (parceria com Samuel Rosa), Bodas, Singular e Panamericana (parceria com Flávio Henrique). Na banda, participações de Clayton Neri (violão) e Leonardo Lana (percussão).

Artistas
Flávia Ellen começou sua carreira em 2007, em bares na capital mineira. Em 2012, realizou seu primeiro show autoral no Centro Cultural da UFMG. No ano seguinte, foi indicada ao Prêmio Nova Canção, do Canal Multishow. Participou, também, do quadro Mulheres que Brilham, doPrograma Raul Gil (2014) e foi finalista da fase nacional do Festival de Música e Poesia de Paranavaí (PR, 2014).

O saxofonista e letrista Chico Amaral é conhecido por grandes sucessos de sua parceria com Samuel Rosa, na banda Skank. A partir daí, suas letras tornaram-se conhecidas e seu nome foi requisitado por vários artistas brasileiros, como Beto Guedes, Ed Motta, Erasmo Carlos, Lô Borges, Juarez Moreira, Milton Nascimento e outros.

Próximas atrações:
16 de novembro – show de Regina Milagres e Silvia Maneira
14 de dezembro – show de Trio Amadeus e Kadu Vianna

Foto: Divulgação / Por Secom

Concerto

Banda alemã

Apresentação acontece hoje em Carandaí.

Nesta terça-feira (11/10), a partida das 21h00, haverá, no terminal rodoviário de Carandaí, o Concerto da Banda Alemã sob a regência do Maestro Rolf Kaiser. Apresentado pela Corporação Musical Santa Cecília de Carandaí, em parceria com a Prefeitura Municipal, Cassintur e Nova Loja, o concerto contará com o melhor da boa musica clássica.

Intercâmbio Cultural
Esta é a segunda apresentação na cidade, no ano anterior um intercâmbio musical foi realizado com a presença dos músicos.

Foto: Divulgação / Editoria de Arte - PMC

Atrações gratuitas

Semana do Aleijadinho

Um grande evento cultural

O Museu de Congonhas realiza nesta segunda-feira dia 22/8 com programação até o dia 25 de agosto a Semana do Aleijadinho. A semana é comemorada devido a data de nascimento do Mestre Aleijadinho, que seria no final do mês de agosto. Nascido em Vila Rica, Antônio Francisco Lisboa era filho de uma escrava com um mestre de obras português.
Iniciou sua vida artística ainda na infância, observando o trabalho de seu pai que também era entalhador. Por volta de 40 anos de idade, o mestre começa a ter uma doença degenerativa nos pés e nas mãos, mas mesmo assim iniciou suas obras em Congonhas esculpindo os 12 profetas da Igreja Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos e as 66 imagens das 6 capelas dos Passos da Paixão de Cristo, constituindo assim o Santuário. Aleijadinho foi considerado um dos mais expressivos artistas do barroco mineiro.

Imperdível
As comemorações trarão ao Museu de Congonhas uma programação diversificada. As atrações da agenda cultural dialogam e potencializam as questões presentes na instituição, primeiro “Museu de Sítio Histórico Brasileiro”.
As artistas Zélia Duncan e Beatriz Azevedo são as grandes convidadas da agenda cultural, em um espetáculo que dialoga com a passagem dos Modernistas pela cidade histórica mineira, em 1924. Juntas apresentarão o repertório do CD “antroPOPhagia ao vivo”, gravado por Beatriz em 2014, em Nova York, com canções próprias e releituras de grandes artistas, como Tom Jobim e Cole Porter.

A programação conta, ainda, com uma oficina performática com os moradores de Congonhas, ministrada por músicos reconhecidos nacionalmente, como Cristóvão Bastos. Haverá também um concerto da Orquestra Jovem do projeto Arte na Escola da Secretaria Municipal de Educação, que atualmente conta com a participação de mais de 3 mil alunos da cidade, e o lançamento de uma revista em quadrinhos desenvolvida pelos participantes do Programa Garoto Cidadão da Fundação CSN.

Show “antroPOPhagia” – Beatriz Azevedo e Zélia Duncan

A cantora Zélia Duncan participa do show antroPOPhagia de Beatriz Azevedo cantando músicas inéditas da compositora paulista, e ainda uma parceria entre as duas: Muda Musa. As artistas repetem a dobradinha que já fizeram em outros teatros, como o show do Sesc Pompeia, em São Paulo, no qual Zélia cantou diversas composições de Beatriz Azevedo, como o sucesso “Toda Sorte”.

No próximo dia 23, terça-feira, no Anfiteatro do Museu de Congonhas, Zélia interpretará também uma música de seu próprio repertório, no formato voz e violão, para contrastar com as canções de Beatriz, que cantará acompanhada da banda “cinco estrelas”, permanente do show antroPOPhagia. A banda é composta pelos músicos Cristóvão Bastos (piano), Jorge Helder (contrabaixo), Angelo Ursini (sopros), Maurício Calmon (bateria) e Miguel Jorge (guitarra), além da própria Beatriz Azevedo (voz e violão).

O show marca o lançamento do disco “antroPOPhagia ao vivo em Nova York”. Após o show, as artistas autografam o disco e também o livro Antropofagia Palimpsesto Selvagem, de autoria da multiartista.

Concerto “Arte na Escola”
Formado por 39 professores e 3 monitores, o projeto “Arte na Escola” conta, hoje, com 3.090 alunos da Secretaria Municipal de Educação e 19 modalidades de oficinas, distribuídas em 467 oficinas semanais, por toda a cidade de Congonhas. Nesse concerto, os alunos apresentarão os resultados das oficinas desenvolvidas ao longo do primeiro semestre de 2016, com um repertório de músicas clássicas e populares.

O projeto “Arte na Escola” tem como objetivo desenvolver talentos e resgatar a autoestima através do desenvolvimento de potencialidade de estudantes congonhenses. Sua missão é preparar o aluno para assumir sua vida como cidadão consciente e responsável, por meio de uma cultura empreendedora, proporcionando um caminho seguro para a edificação de uma sociedade justa e solidária.

Lançamento da revista “Gibitur Museus”
A revista em quadrinhos “Gibitur Museus”, desenvolvida em parceria com o Projeto Garoto Cidadão da Fundação CSN, tem por finalidade contextualizar a história dos museus de Congonhas, por meio de desenhos a mão livre e textos lúdicos criados pelos alunos e orientados pelos professores. A intenção é enaltecer a importância dos Museus e as suas localizações.

O projeto se desdobra ainda em um espetáculo cênico educativo que tem por finalidade contextualizar o Gibitur norteando o espectador para a localização dos Museus bem como, o significado de cada um deles. A estreia da montagem acontece no lançamento do Gibitur Museus, no anfiteatro do Museu de Congonhas.

Programação completa – Semana do Aleijadinho
• Dia 22/08 – 20h (gratuito)
Oficina performática Roteiro das Minas – Ministrada por Beatriz Azevedo (cantora), Cristóvão Bastos (teclado), Jorge Helder (contrabaixo), Maurício Calmon (bateria), Miguel Jorge (guitarra e vocais), Ângelo Ursini (sopros).
• Dia 23 – 20h (ingressos: R$ 2)
Show “antroPOPhagia” – com Zélia Duncan e Beatriz Azevedo
• Dia 24 – 20h (gratuito)
Concerto Orquestra Jovem do projeto “Arte na Escola”
• Dia 25 – 20h (gratuito)
Espetáculo de Lançamento da revista em quadrinhos “Gibitur Museus”

Foto: Ilustração/ Divulgação Internet 

11ª Semana da Música

Apoio da artista Matilde Queiroz

Artista Matilde Queiroz doa tela para ser sorteado entre apoiadores da Semana da Música.

A primavera chegou também em nossa campanha da Semana da Música.A artista plástica Matilde Queiroz doou um de seus belos quadros da série "Orquídeas" para a Casa de Música (foto).

A obra de arte será sorteada entre os colaboradores que doarem mais de R$100 (cem reais). Matilde Queiroz entrou no mundo das artes ainda na infância, quando desenhava flores para colorir, bordava e pintava. Aos 14 anos participou de uma oficina de artes plásticas em Ouro Preto, onde começou a aperfeiçoar as técnicas. Depois disso, não parou mais. Hoje, Matilde é pós-graduada em Arte-Educação e dedica sua carreira ao ensino e ao trabalho autoral que desenvolve em seu ateliê, em Ouro Branco. Atualmente, toda a delicadeza da série "Orquídeas" pode ser vista em uma exposição no restaurante O Passo, na cidade de Ouro Preto. 

Leia a entrevista que fizemos com a artista:
1) Como você iniciou o trabalho com pintura?
MQ: Na infância, eu gostava muito de colorir. Minha mãe desenhava flores, muitas flores e fui colorindo. Com ela aprendi a desenhar, bordar e pintar com guache. Aos 14 anos participei da oficina de Artes Plásticas do IV Festival de Inverno da UFMG, em Ouro Preto, onde comecei a aperfeiçoar o meu desenho, conheci outras técnicas de pintura e aprendi a fazer xilogravura. Foram vários festivais, oficinas, aulas em ateliês de artistas, workshops... Em 1990, criei um ateliê junto à minha residência, onde comecei a ensinar várias técnicas de desenho e pintura, para crianças e adolescentes. Pós graduada em Arte educação pela UEMG, me dedico ao ensino de arte e ao trabalho autoral em meu ateliê em Ouro Branco.

2) Como você definiria seu estilo?
MQ: Pesquisei diversas linguagens artísticas como o desenho, a pintura, a cerâmica, experimentando inúmeras possibilidades expressivas das linhas, formas, cores, materiais e suportes, sem seguir um estilo único. Gosto da experimentação, do fazer manual. Tenho um trabalho artístico totalmente diversificado. A técnica da pintura em aquarela me encanta pela leveza e transparência do desenho e da pintura, trabalhando a luz e a cor de forma bem sutil. Do mesmo modo, a pintura em porcelana tem me fascinado por sua execução suave, singela.

3) Onde você já expôs?
MQ: Na época da minha graduação, em Direito, em Conselheiro Lafaiete, participei de exposição de arte na faculdade, promovida pelo Diretório Acadêmico e fui agraciada com troféu de honra ao mérito pelo quadro "Fazendinha", do museu Abílio Barreto de BH. Expus meus quadros em diversas feiras livres, em Lafaiete e Ouro Preto. Em Ouro Branco, participei de exposição coletiva na sede social da AEA. Atualmente , desde o dia 15 de Setembro, meus quadros de aquarelas e pinturas em porcelanas, retratando orquídeas, estão expostos na galeria do Restaurante O Passo Pizza Jazz, em Ouro Preto.

4) O que você pode nos dizer sobre o quadro que doou para a campanha da Casa de Música?
MQ: Preparando para a minha exposição em Ouro Preto, surgiu a ideia de doar um quadro com uma aquarela, para a campanha de financiamento para a realização da 11a Semana de Música de Ouro Branco. Esta aquarela é parte de uma série sobre orquídeas, que realizei para celebrar a primavera. A orquídea que pintei, segundo o orquidófilo Carlos Alberto Salgado, é uma "BLC Alma Kee".

5) Por que você resolveu colaborar com o projeto?
MQ:Tenho acompanhado, desde o seu início, o trabalho persistente, cuidadoso, eficiente da Kênia Libânio, com educação cultural através da música, em Ouro Branco. Trabalho de altíssima qualidade, que nos deixa com muito orgulho. Ninguém realiza sozinho, um trabalho deste, de alcance e reconhecimento internacional. É preciso apoio, parcerias, e nós temos que ajudar, incentivar, pois acreditamos neste projeto da Casa de Música. Através da educação musical o indivíduo adquire conhecimento, aprende a tocar um instrumento musical e passa a apreciar uma peça, um concerto, um obra de arte. Acredito no poder transformador da arte, não só para o desenvolvimento da subjetividade, mas também para o crescimento profissional.

6) Faça um convite para as pessoas que ainda não colaboraram!
MQ: Reconheço a importância da Semana de Música para nós, como oportunidade de apreciar concertos de música erudita de altíssima qualidade. Acredito que todos podem colaborar. Convido-os a participarem deste projeto, pois tenho certeza que será gratificante.


SEJA VOCE TAMBÉM UM COLABORADOR DA SEMANA DA MÚSICA DE OURO BRANCO!
Este ano, a Semana da Música conta com o apoio da comunidade para realizar a décima primeira edição. Não podemos deixar nossa história parar!
Doando qualquer quantia você se torna um dos realizadores de nosso festival. Sua participação é essencial para darmos continuidade a essa trajetória! Sem você corremos o risco de não ter a Semana da Música!
Todo e qualquer valor é importante para alcançarmos nossa meta.
Iremos realizar os concertos e as atividades de acordo com os valores arrecadados.
Veja mais detalhes e saiba como contribuir:
Nossa Meta: R$30.000,00
Dados para doação:
Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco
CNPJ: 04.479.160/0001-16
Banco Santander: 033
Agencia: 3824
C/C 13000115-6
Não esqueça de fazer o depósito identificado ou enviar o comprovante para podermos divulgar seu nome!
Para informações, entre em contato com a Casa de Música de Ouro Branco.
Telefones: (31) 3742-3553 (31) 3742-3553/ (31) 98752-7075 (31) 98752-7075
Site: www.casademusica.org
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">

Casa de Música

O grande ponto cultural em Ouro Branco

Interessados podem se inscrever entre os dias 25 e 27 de julho nos cursos de musicalização, flauta doce, violão e contrabaixo

A Casa de Música de Ouro Branco está com inscrições abertas para jovens e crianças. Para o segundo semestre de 2016, há vagas nos cursos de musicalização e flauta doce (de 7 a 10 anos), violão e contrabaixo (de 10 a 15 anos). Os interessados podem se inscrever entre os dias 25 e 27 de julho pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., nas sedes da instituição (bairros Pioneiros e Luzia Augusta) ou ainda pelo telefone (31) 3742-3553.

Os inscritos participarão de um processo seletivo nos dias 28 e 29 de julho. O resultado será divulgado dia 30/07 e as matrículas deverão ser confirmadas de 1º a 3 de agosto. As aulas para os novatos terão inicio no dia 8 de agosto.
A Casa de Música fica aberta das 14h às 18, de segunda a sexta-feira. As inscrições feitas por e-mail devem conter os seguintes dados: nome completo, idade, turno na escola, telefone, nome do responsável e instrumento escolhido. A inscrição é gratuita.

Endereços da Casa de Música de Ouro Branco:
1) Av. Augusto Barbosa da Silva, 313, bairro Pioneiros
2) Rua Bahia, 514 – Bairro Luzia Augusta
A Casa de Música conta com patrocínio da Gerdau e da Milplan Engenharia através das Leis Estadual e Federal de

Incentivo à Cultura.

Mais informações no site: www.casademusica.org;

Casa de Música de Ouro Branco
A Casa de Música é uma entidade sem fins lucrativos que desenvolve ações na área de ensino e divulgação da música erudita. Criada em 2001 por um grupo de professores e pais de alunos, a entidade tem como principais objetivos promover a difusão e a divulgação do acesso à música, criar alternativas de inserção e incentivar o intercâmbio cultural e a carreira de jovens músicos.

Museu de Congonhas

Apresentação faz parte do projeto Caixa Acústica

Um encontro musical entre a cantora Dona Jandira e o músico Túlio Mourão

O Projeto Caixa Acústica, iniciativa apoiada pela Gerdau, promove nesta quarta-feira dia 14 de setembro, o encontro musical entre a cantora Dona Jandira e o pianista e arranjador Túlio Mourão no teatro do Museu de Congonhas.
Os artistas foram escolhidos por meio de um edital, que contou com a concorrência de vários artistas da cidade. O espetáculo será realizado às 20h e os ingressos - R$ 2 cada - podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.
O Projeto Caixa Acústica conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (FUMCULT) e da Prefeitura Municipal de Congonhas, com produção executiva da TW Cultural de Belo Horizonte, e o patrocínio da Gerdau, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Sobre os artistas
Dona Jandira e Túlio Mourão  (foto) são dois veteranos da cena musical. Nascida em Maceió (AL), mas radicada em Minas Gerais, Dona Jandira começou sua carreira profissional com mais de 60 anos. Logo, o seu estilo de tocar e cantar cativou a nova geração, se tornando uma grande atração nos principais projetos musicais mineiros.

Já o músico Túlio Mourão tem uma consolidada carreira instrumental, tendo participado de grandes encontros musicais no Brasil e no exterior. Já participou de discos e shows de alguns dos mais importantes artistas nacionais, dentre eles Milton Nascimento e Maria Bethânia. Mas também desenvolveu um elaborado trabalho solo, marcado pelo jazz e MPB, inclusive como compositor.

A cantora Dona Jandira e o pianista e arranjador Túlio Mourão apostam na força gerada pelo encontro de melodias cativantes, capturadas do universo da manifestação popular com o contexto da sofisticação instrumental. Neste encontro, eles apresentarão músicas como Nada além (Mário Lago e Custódio Mesquita), Eu sei que vou te amar (Tom Jobim e Vinícius de Moraes), Só você (Only You, de Buck Ram, versão de Júlio Nagib), Feitiço da Vila (Noel Rosa), Smile (Charles Chaplin) e Maracangalha (Dorival Caymmi).

Serviço:
Projeto Caixa Acústica – Dona Jandira e Túlio Mourão
Data: 14 de setembro, às 20h.
Ingressos: R$ 2,00
Local: Museu de Congonhas (Rua Bom Jesus, 250).
Informações: (31) 3731-3979

Foto: Divulgação 

Em Congonhas

Roteiro das Minas

João Bosco em única apresentação.

Um dos mais importantes nomes da Música Popular Brasileira, o cantor, compositor e violonista mineiro João Bosco será a atração do show no formato voz e violão do Museu de Congonhas, o show acontece dia 27 de julho, às 20 horas. Os ingressos custarão R$ 2,00 e poderão ser adquiridos, a partir do dia 20 de julho, na bilheteria do anfiteatro do Museu.

Repertório
Na apresentação o músico mostra toda sua trajetória musical, clássicos compostos com o parceiro Aldir Blanc, Martinho da Vila, Wally Salomão, Chico Buarque, Gilberto Gil, entre outros.

Roteiro de Minas
Com curadoria da atriz, poeta, cantora e compositora Beatriz de Azevedo, o projeto Roteiro das Minas tem como objetivo recolocar a cidade de Congonhas em destaque, oferecendo ao público atividades diversas, incluindo oficinas, workshops, lançamento de livros, debates e apresentações artísticas no espaço do Museu de Congonhas. A programação, que se estenderá ao longo de todo ano, é uma realização da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas (FUMCULT). O projeto tem como objetivo recuperar em encontros musicais, cênicos e poéticos a atmosfera da passagem dos modernistas em Minas Gerais, um momento foi crucial para a reviravolta da valorização do patrimônio cultural de Congonhas e de outras cidades históricas mineiras.

Serviço:
Data: 27 de julho
Horário: 20 horas
Ingressos: R$2,00
Capacidade do anfiteatro: 350 lugares
Local: Museu de Congonhas (Alameda Cidade de Matosinhos de Portugal, 77, Basílica).
Informações: (31) 3731-3979.

Foto: Divulgação 

Casa de Música

11ª Semana da Música

Música- Apoiei essa ideia

Dando continuidade a divulgação da nossa campanha: 11ª Semana da Música- Apoiei essa ideia, a Casa de Música apresenta o recital de alunos e professores.

Serviço

Local: Campus da UFSJ- Ouro Branco - Sala da PROEX ao lado da Biblioteca
Data: 25 de agosto- quinta -feira
Horário: 17:00

Esperamos vocês!

Rafael Martini e Alexandre Andrés

Museu de Congonhas recebe músicos

Apresentação faz parte do projeto Caixa Acústica

O Projeto Caixa Acústica, iniciativa apoiada pela Gerdau, promove no dia 13 de julho, a apresentação dos músicos Rafael Martini e Alexandre Andrés no teatro do Museu de Congonhas/MG. O espetáculo será realizado às 20h e os ingressos - R$ 2 cada - podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.

O Projeto Caixa Acústica conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (FUMCULT) e da Prefeitura Municipal de Congonhas, com produção executiva da TW Cultural de Belo Horizonte, e o patrocínio da Gerdau, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Sobre os cantores
Rafael Martini é compositor, arranjador, pianista e cantor. Frequentemente requisitado como diretor musical e arranjador em diversos trabalhos, Martini tem construído uma “voz” cada vez mais marcante e inconfundível em boa parte da nova produção musical do Brasil. O músico coleciona vitórias em alguns dos prêmios de música instrumental mais importantes do país, como o prêmio “Marco Antônio Araújo 2013” concedido ao disco “Motivo” como melhor disco de música instrumental do ano de 2012. A lista ainda inclui o Prêmio BDMG Instrumental 2012 (premiação que obteve pela segunda vez na carreira, e no qual ganhou ainda o prêmio de melhor arranjo), o 1º lugar e o prêmio de melhor arranjo no 1º Festival Instrumental de Guarulhos (2007), o Prêmio BDMG Instrumental (2004) e o Prêmio Nacional IBEU de composição para Big Band (2006).

Já Alexandre Andrés é violonista, flautista, cantor e compositor. Iniciou seus estudos musicais quando pequeno e hoje, aos 25 anos de idade, possui três CDs gravados, intitulados “Agualuz” (2008), “Macaxeira Fields” (2012) e “Olhe bem as montanhas” (2014), ambos em parceria com o poeta mineiro Bernardo Maranhão, além do DVD Macaxeira Fields ao vivo (2013). Alexandre Andrés integra a nova geração de Cantautores de Belo Horizonte e, junto a eles, vem desenvolvendo um trabalho independente. Já se apresentou com importantes músicos como: Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Grupo Uakti, André Mehmari, Mônica Salmaso, Tatiana Parra, Chico Pinheiro, Ná Ozzetti, Sérgio Santos, Kristoff Silva, dentre inúmeros outros artistas.

Serviço:
Projeto Caixa Acústica - Rafael Martini e Alexandre Andrés
Data: 13 de julho, às 20h.
Ingressos: R$ 2,00
Local: Museu de Congonhas (Rua Bom Jesus, 250).
Informações: (31) 3731-3979

Sobre a Gerdau
A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que estão ampliando o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

Foto: Rafael Martini e Alexandre Andrés 

Sub-categorias