Seg06262017

Última atualizaçãoQui, 22 Jun 2017 6pm

Cultura

Atrações gratuitas

Semana do Aleijadinho

Um grande evento cultural

O Museu de Congonhas realiza nesta segunda-feira dia 22/8 com programação até o dia 25 de agosto a Semana do Aleijadinho. A semana é comemorada devido a data de nascimento do Mestre Aleijadinho, que seria no final do mês de agosto. Nascido em Vila Rica, Antônio Francisco Lisboa era filho de uma escrava com um mestre de obras português.
Iniciou sua vida artística ainda na infância, observando o trabalho de seu pai que também era entalhador. Por volta de 40 anos de idade, o mestre começa a ter uma doença degenerativa nos pés e nas mãos, mas mesmo assim iniciou suas obras em Congonhas esculpindo os 12 profetas da Igreja Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos e as 66 imagens das 6 capelas dos Passos da Paixão de Cristo, constituindo assim o Santuário. Aleijadinho foi considerado um dos mais expressivos artistas do barroco mineiro.

Imperdível
As comemorações trarão ao Museu de Congonhas uma programação diversificada. As atrações da agenda cultural dialogam e potencializam as questões presentes na instituição, primeiro “Museu de Sítio Histórico Brasileiro”.
As artistas Zélia Duncan e Beatriz Azevedo são as grandes convidadas da agenda cultural, em um espetáculo que dialoga com a passagem dos Modernistas pela cidade histórica mineira, em 1924. Juntas apresentarão o repertório do CD “antroPOPhagia ao vivo”, gravado por Beatriz em 2014, em Nova York, com canções próprias e releituras de grandes artistas, como Tom Jobim e Cole Porter.

A programação conta, ainda, com uma oficina performática com os moradores de Congonhas, ministrada por músicos reconhecidos nacionalmente, como Cristóvão Bastos. Haverá também um concerto da Orquestra Jovem do projeto Arte na Escola da Secretaria Municipal de Educação, que atualmente conta com a participação de mais de 3 mil alunos da cidade, e o lançamento de uma revista em quadrinhos desenvolvida pelos participantes do Programa Garoto Cidadão da Fundação CSN.

Show “antroPOPhagia” – Beatriz Azevedo e Zélia Duncan

A cantora Zélia Duncan participa do show antroPOPhagia de Beatriz Azevedo cantando músicas inéditas da compositora paulista, e ainda uma parceria entre as duas: Muda Musa. As artistas repetem a dobradinha que já fizeram em outros teatros, como o show do Sesc Pompeia, em São Paulo, no qual Zélia cantou diversas composições de Beatriz Azevedo, como o sucesso “Toda Sorte”.

No próximo dia 23, terça-feira, no Anfiteatro do Museu de Congonhas, Zélia interpretará também uma música de seu próprio repertório, no formato voz e violão, para contrastar com as canções de Beatriz, que cantará acompanhada da banda “cinco estrelas”, permanente do show antroPOPhagia. A banda é composta pelos músicos Cristóvão Bastos (piano), Jorge Helder (contrabaixo), Angelo Ursini (sopros), Maurício Calmon (bateria) e Miguel Jorge (guitarra), além da própria Beatriz Azevedo (voz e violão).

O show marca o lançamento do disco “antroPOPhagia ao vivo em Nova York”. Após o show, as artistas autografam o disco e também o livro Antropofagia Palimpsesto Selvagem, de autoria da multiartista.

Concerto “Arte na Escola”
Formado por 39 professores e 3 monitores, o projeto “Arte na Escola” conta, hoje, com 3.090 alunos da Secretaria Municipal de Educação e 19 modalidades de oficinas, distribuídas em 467 oficinas semanais, por toda a cidade de Congonhas. Nesse concerto, os alunos apresentarão os resultados das oficinas desenvolvidas ao longo do primeiro semestre de 2016, com um repertório de músicas clássicas e populares.

O projeto “Arte na Escola” tem como objetivo desenvolver talentos e resgatar a autoestima através do desenvolvimento de potencialidade de estudantes congonhenses. Sua missão é preparar o aluno para assumir sua vida como cidadão consciente e responsável, por meio de uma cultura empreendedora, proporcionando um caminho seguro para a edificação de uma sociedade justa e solidária.

Lançamento da revista “Gibitur Museus”
A revista em quadrinhos “Gibitur Museus”, desenvolvida em parceria com o Projeto Garoto Cidadão da Fundação CSN, tem por finalidade contextualizar a história dos museus de Congonhas, por meio de desenhos a mão livre e textos lúdicos criados pelos alunos e orientados pelos professores. A intenção é enaltecer a importância dos Museus e as suas localizações.

O projeto se desdobra ainda em um espetáculo cênico educativo que tem por finalidade contextualizar o Gibitur norteando o espectador para a localização dos Museus bem como, o significado de cada um deles. A estreia da montagem acontece no lançamento do Gibitur Museus, no anfiteatro do Museu de Congonhas.

Programação completa – Semana do Aleijadinho
• Dia 22/08 – 20h (gratuito)
Oficina performática Roteiro das Minas – Ministrada por Beatriz Azevedo (cantora), Cristóvão Bastos (teclado), Jorge Helder (contrabaixo), Maurício Calmon (bateria), Miguel Jorge (guitarra e vocais), Ângelo Ursini (sopros).
• Dia 23 – 20h (ingressos: R$ 2)
Show “antroPOPhagia” – com Zélia Duncan e Beatriz Azevedo
• Dia 24 – 20h (gratuito)
Concerto Orquestra Jovem do projeto “Arte na Escola”
• Dia 25 – 20h (gratuito)
Espetáculo de Lançamento da revista em quadrinhos “Gibitur Museus”

Foto: Ilustração/ Divulgação Internet 

Casa de Música

O grande ponto cultural em Ouro Branco

Interessados podem se inscrever entre os dias 25 e 27 de julho nos cursos de musicalização, flauta doce, violão e contrabaixo

A Casa de Música de Ouro Branco está com inscrições abertas para jovens e crianças. Para o segundo semestre de 2016, há vagas nos cursos de musicalização e flauta doce (de 7 a 10 anos), violão e contrabaixo (de 10 a 15 anos). Os interessados podem se inscrever entre os dias 25 e 27 de julho pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo., nas sedes da instituição (bairros Pioneiros e Luzia Augusta) ou ainda pelo telefone (31) 3742-3553.

Os inscritos participarão de um processo seletivo nos dias 28 e 29 de julho. O resultado será divulgado dia 30/07 e as matrículas deverão ser confirmadas de 1º a 3 de agosto. As aulas para os novatos terão inicio no dia 8 de agosto.
A Casa de Música fica aberta das 14h às 18, de segunda a sexta-feira. As inscrições feitas por e-mail devem conter os seguintes dados: nome completo, idade, turno na escola, telefone, nome do responsável e instrumento escolhido. A inscrição é gratuita.

Endereços da Casa de Música de Ouro Branco:
1) Av. Augusto Barbosa da Silva, 313, bairro Pioneiros
2) Rua Bahia, 514 – Bairro Luzia Augusta
A Casa de Música conta com patrocínio da Gerdau e da Milplan Engenharia através das Leis Estadual e Federal de

Incentivo à Cultura.

Mais informações no site: www.casademusica.org;

Casa de Música de Ouro Branco
A Casa de Música é uma entidade sem fins lucrativos que desenvolve ações na área de ensino e divulgação da música erudita. Criada em 2001 por um grupo de professores e pais de alunos, a entidade tem como principais objetivos promover a difusão e a divulgação do acesso à música, criar alternativas de inserção e incentivar o intercâmbio cultural e a carreira de jovens músicos.

“Operação Harmonia”

Um evento musical que aproxima polícia e população

Banda do 9° BPM realiza apresentações na cidade de Congonhas

Na última sexta-feira 17 de junho de 2016, aconteceu em Congonhas/MG, uma apresentação da Banda de Música do 9° BPM, batalhão sediado na cidade de Barbacena/MG.

O evento na Praça Juscelino Kubitschek, centro da cidade, contou com grande participação popular e ocorreu em virtude das comemorações de aniversário do 241 anos da PMMG, neste mês de junho.

A Polícia Militar de Minas Gerais teve início em 1775 e hoje está presente em todos os municípios do Estado Mineiro, garantido a segurança da população. Em entrevista, o maestro mencionou que a Banda de Música realiza um importante trabalho de aproximação entre a polícia e toda comunidade; promovendo assim, paz social por meio da música, além de encantar o público por onde passa.

Na oportunidade a corporação também homenageou o 3º Sgt PM Antônio; considerado o militar mais antigo da PMMG, o policial reformado completou 104 anos último dia 1/6/2016; durante a homenagem a emoção tomou conta do sargento que estava acompanhado de parentes familiares e amigos.

Foto: Divulgação/ PMMG 

Em Congonhas

Roteiro das Minas

João Bosco em única apresentação.

Um dos mais importantes nomes da Música Popular Brasileira, o cantor, compositor e violonista mineiro João Bosco será a atração do show no formato voz e violão do Museu de Congonhas, o show acontece dia 27 de julho, às 20 horas. Os ingressos custarão R$ 2,00 e poderão ser adquiridos, a partir do dia 20 de julho, na bilheteria do anfiteatro do Museu.

Repertório
Na apresentação o músico mostra toda sua trajetória musical, clássicos compostos com o parceiro Aldir Blanc, Martinho da Vila, Wally Salomão, Chico Buarque, Gilberto Gil, entre outros.

Roteiro de Minas
Com curadoria da atriz, poeta, cantora e compositora Beatriz de Azevedo, o projeto Roteiro das Minas tem como objetivo recolocar a cidade de Congonhas em destaque, oferecendo ao público atividades diversas, incluindo oficinas, workshops, lançamento de livros, debates e apresentações artísticas no espaço do Museu de Congonhas. A programação, que se estenderá ao longo de todo ano, é uma realização da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas (FUMCULT). O projeto tem como objetivo recuperar em encontros musicais, cênicos e poéticos a atmosfera da passagem dos modernistas em Minas Gerais, um momento foi crucial para a reviravolta da valorização do patrimônio cultural de Congonhas e de outras cidades históricas mineiras.

Serviço:
Data: 27 de julho
Horário: 20 horas
Ingressos: R$2,00
Capacidade do anfiteatro: 350 lugares
Local: Museu de Congonhas (Alameda Cidade de Matosinhos de Portugal, 77, Basílica).
Informações: (31) 3731-3979.

Foto: Divulgação 

Museu de Congonhas

Franciele Karen e a banda The Skinnies

É hoje; uma apresentação que faz parte do projeto Caixa Acústica

O Projeto Caixa Acústica, iniciativa apoiada pela Gerdau, promove no dia 15 de junho, a apresentação da cantora Franciele Karen e da banda The Skinnies. Os artistas foram escolhidos por meio de um edital, que contou com a concorrência de vários artistas da cidade. O espetáculo será realizado às 20h, no teatro do Museu de Congonhas. Os ingressos custam R$ 2 e podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.

O Projeto Caixa Acústica conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (FUMCULT) e da Prefeitura Municipal de Congonhas, com produção executiva da TW Cultural de Belo Horizonte, e o patrocínio da Gerdau, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Sobre os cantores
Franciele Karen começou a carreira profissional em 2013, com apenas 14 anos e já participou de diversos concursos musicais em emissoras de TV. Para a apresentação no Projeto Caixa Acústica Congonhas 2016, Francielle Karen abraça o repertório de clássicos da MPB, que faz parte de sua trajetória artística. Entre os números musicais, estão Como nossos pais (Belchior), Travessia (Milton Nascimento e Fernando Brant), Sina (Djavan) e Chão de Giz (Zé Ramalho).

Já a The Skinnies (ou Os Magrelos) foi formada em 2014, em Congonhas, com influências musicais que vão do pop rock, passando pela música folk, indie e MPB. No ano seguinte, já atuava na capital mineira, São João Del Rei e Conselheiro Lafaiete. Em março de 2016, gravou seu primeiro EP, com quatro canções autorais, disponível gratuitamente para download no site da banda (www.theskinniesproject.com). No Caixa Acústica, eles mostram canções autorais, como A Pena e O Elefante, O Trem e Janela, além de interpretações de sucessos do Legião Urbana (Índios) e Los Hermanos (Conversa de Botas Batidas).

Serviço:
Projeto Caixa Acústica - Franciele Karen e a banda The Skinnies

Datas: 15 de junho às 20h.
Ingressos: R$ 2,00
Local: Museu de Congonhas (Rua Bom Jesus, 250).
Informações: (31) 3731-3979

Sobre a Gerdau
A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que estão ampliando o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

Rafael Martini e Alexandre Andrés

Museu de Congonhas recebe músicos

Apresentação faz parte do projeto Caixa Acústica

O Projeto Caixa Acústica, iniciativa apoiada pela Gerdau, promove no dia 13 de julho, a apresentação dos músicos Rafael Martini e Alexandre Andrés no teatro do Museu de Congonhas/MG. O espetáculo será realizado às 20h e os ingressos - R$ 2 cada - podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.

O Projeto Caixa Acústica conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (FUMCULT) e da Prefeitura Municipal de Congonhas, com produção executiva da TW Cultural de Belo Horizonte, e o patrocínio da Gerdau, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Sobre os cantores
Rafael Martini é compositor, arranjador, pianista e cantor. Frequentemente requisitado como diretor musical e arranjador em diversos trabalhos, Martini tem construído uma “voz” cada vez mais marcante e inconfundível em boa parte da nova produção musical do Brasil. O músico coleciona vitórias em alguns dos prêmios de música instrumental mais importantes do país, como o prêmio “Marco Antônio Araújo 2013” concedido ao disco “Motivo” como melhor disco de música instrumental do ano de 2012. A lista ainda inclui o Prêmio BDMG Instrumental 2012 (premiação que obteve pela segunda vez na carreira, e no qual ganhou ainda o prêmio de melhor arranjo), o 1º lugar e o prêmio de melhor arranjo no 1º Festival Instrumental de Guarulhos (2007), o Prêmio BDMG Instrumental (2004) e o Prêmio Nacional IBEU de composição para Big Band (2006).

Já Alexandre Andrés é violonista, flautista, cantor e compositor. Iniciou seus estudos musicais quando pequeno e hoje, aos 25 anos de idade, possui três CDs gravados, intitulados “Agualuz” (2008), “Macaxeira Fields” (2012) e “Olhe bem as montanhas” (2014), ambos em parceria com o poeta mineiro Bernardo Maranhão, além do DVD Macaxeira Fields ao vivo (2013). Alexandre Andrés integra a nova geração de Cantautores de Belo Horizonte e, junto a eles, vem desenvolvendo um trabalho independente. Já se apresentou com importantes músicos como: Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Grupo Uakti, André Mehmari, Mônica Salmaso, Tatiana Parra, Chico Pinheiro, Ná Ozzetti, Sérgio Santos, Kristoff Silva, dentre inúmeros outros artistas.

Serviço:
Projeto Caixa Acústica - Rafael Martini e Alexandre Andrés
Data: 13 de julho, às 20h.
Ingressos: R$ 2,00
Local: Museu de Congonhas (Rua Bom Jesus, 250).
Informações: (31) 3731-3979

Sobre a Gerdau
A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que estão ampliando o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, anualmente, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

Foto: Rafael Martini e Alexandre Andrés 

Música de bom gosto

No Museu da cidade de Congonhas

Orquestra de Ouro Preto realiza concerto 

O Museu de Congonhas recebe no dia 18 de maio, às 20h, a apresentação da Orquestra Ouro Preto, com regência do Maestro Rodrigo Toffolo. Durante o concerto, a Orquestra Ouro Preto brindará o público com um repertório fortemente inspirado na efervescência cultural da América Latina, com obras que compreendem o universo sonoro da música brasileira e portenha. Os ingressos custam R$ 2,00 e podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.

A apresentação contará com a participação do bandoneonista e compositor argentino, radicado no Brasil, Rufo Herrera, que exibirá a paisagem sonora de Buenos Aires com os tangos “El Choclo”, “Libertango” e La Cumparsita. Flertando com outras paisagens sonoras, destaque ainda para “Suíte St. Paul”, de G. Holst (1874 – 1934), “Mini concerto para cordas” de Cláudio Santoro (1919 – 1989).

Um dos compromissos da Orquestra Ouro Preto é o comprometimento com a Música Brasileira. Esta prioridade se materializa, antes de tudo, face ao rico patrimônio imaterial brasileiro – a música da Escola Mineira de Compositores. Parte indissociável da história brasileira, a cidade de Ouro Preto, “Patrimônio Cultural da Humanidade”, tem sua história ligada ao esplendor do ouro no Século XVIII. A música feita nesta época é trabalho de pesquisa, restauração e execução, tarefa que a Orquestra Ouro Preto vem desenvolvendo desde sua formação.

Outra vertente da Orquestra diz respeito à execução dos clássicos estrangeiros. Obras de artistas clássicos como Albinoni, Bach, Haydn, Leroy Andersen, Tchaikovsky, entre outros, aparecem regularmente nos repertórios apresentados pelo grupo. Trabalhos com artistas populares nacionais e internacionais também é foco de interesse da Orquestra Ouro Preto. Além da parceria com o artista Alceu Valença, a Orquestra realizou parcerias com artistas importantes do cenário musical brasileiro, como Antônio Nóbrega e Fernanda Takai. Além disso, criou, no ano de 2012 e circula até hoje, com o Concerto Orquestra Ouro Preto - The Beatles, sucesso de público e crítica.

Maestro Rodrigo Toffolo
Doutorando em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa, Mestre em Musicologia pelo Departamento de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rodrigo Toffolo é membro fundador e diretor artístico da Orquestra Ouro Preto, assumindo, em 2007 a regência titular do grupo.

Programa
Gustav Holst - Suíte St. Paul
- Jiga
- Intermezzo
- Finale
Claudio Santoro - Mini Concerto para Cordas
- Allegro Moderato
- Andante (Lento)
- Allegro (Finale)
Suíte Buenos Aires - Siglo XX
- El Choclo
- La Cumpartista
- Libertando
Bandoneon: Rufo Herrera

Sobre a Orquestra Ouro Preto

Uma das mais prestigiadas formações orquestrais do país, a Orquestra Ouro Preto tem como Diretor Artístico e Regente Titular o Maestro Rodrigo Toffolo. Premiada nacionalmente, o grupo vem se apresentando nas principais salas de concerto do Brasil e do Mundo. Criada em 2000, seu trabalho é marcado pelo experimentalismo e ineditismo.

Foto: Divulgação/  Rafael Motta - Orquestra Ouro Preto

Música

Orquestra de Câmara de Ouro Branco

Apresentações em Belo Horizonte e Ouro Preto

A Orquestra de Câmara de Ouro Branco trás para Belo Horizonte e Ouro Preto, no dia 3 de julho, mais duas apresentações da série de concertos que realiza por Minas Gerais, no Circuito Cultural 2016. O grupo pertencente à Casa de Música de Ouro Branco, iniciativa apoiada pela Gerdau, se apresentará gratuitamente às 11h, no MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, em Belo Horizonte, e às 17h, na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, em Ouro Preto.

Com regência de Marcos Silva Santos, a Orquestra de Câmara de Ouro Branco escolheu um repertório diversificado que contempla quatro compositores. Dois deles, brasileiros: Guerra Peixe (1914-1993) e Alberto Nepomuceno (1864 – 1920). De Guerra Peixe, a orquestra toca Mourão, composta enquanto ele integrava o movimento Armorial de Pernambuco. Fundada por Ariano Suassuna, a iniciativa buscava construir uma música erudita tipicamente nordestina.

Já a de Alberto Nepomuceno, o grupo executará Adágio para Cordas e Serenata para Cordas. Nepomuceno foi um dos primeiros compositores brasileiros a ir para a Europa, onde estudou com professores importantes e conviveu com Claude Debussy, Edvard Grieg, entre outros. “As pessoas marcam muito o caráter nacionalista da obra de Nepomuceno, mas ele é também um compositor cosmopolita. Além disso, é muito importante para o canto brasileiro, já que escreveu óperas e canções com texto em português”, explica o regente Marcos Silva Santos.

As outras duas obras escolhidas são Sonata a Quattro No. 3 in C major, do italiano Gioachino Rossini (1792 – 1868) e Simple Symphony, Op. 4, do britânico Benjamin Britten (1913 – 1976). De acordo com Marcos, Rossini compôs a peça aos 12 anos de idade. “A obra instrumental de Rossini é pequena se comparada a sua produção de óperas – como O Barbeiro de Sevilha - e de música sacra. No entanto, ele tem peças como a que vamos tocar que mostram todo o seu brilhantismo. Nos escritos que deixou, ele já mais velho fala dessa obra com certo desprezo. Porém, nunca jogou a partitura fora e constantemente a revisava”, relata o regente.

Orquestra de Câmara de Ouro Branco

Criada em 2001, a Orquestra de Câmara de Ouro Branco é formada por cerca de 20 alunos das oficinas de instrumentos da Casa de Música de Ouro Branco. Desde então, vem realizando diversos concertos em Ouro Branco e nas cidades da Estrada Real, dentro do Projeto Circuito Cultural, com o patrocínio da Gerdau, por meio das Leis Federal e Estadual de Incentivo à Cultura.

Um dos objetivos da Orquestra jovem é valorizar e incentivar a composição contemporânea de música erudita. Em 2005, a Orquestra estreou as primeiras obras comissionadas, escritas pelos compositores Calimério Soares, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Ernani Aguiar, Ronaldo Cadeu e Oiliam Lanna. Em 2007, outras três obras foram estreadas. As obras foram compostas por Rufo Herrera, Avelar Jr. e Nelson Salomé. A Orquestra de Câmara de Ouro Branco tem como regente titular o Maestro Charles Roussin.

Casa de Música de Ouro Branco
A Casa de Música foi criada em 2001 por um grupo de professores e pais de alunos. A entidade tem como principais objetivos promover a difusão e a divulgação do acesso à música, criar alternativas de inserção e incentivar o intercâmbio cultural e a carreira de jovens músicos.
Em 2015 a Casa de Música de Ouro Branco, projeto que conta com o patrocínio da Gerdau por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, atendeu mais de 200 alunos que participaram de concertos, festivais e recitais em Ouro Branco e outras cidades de Minas Gerais.

Sobre a Gerdau
A Gerdau é líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo. No Brasil, também produz aços planos e minério de ferro, atividades que estão ampliando o mix de produtos oferecidos ao mercado e a competitividade das operações. Além disso, é a maior recicladora da América Latina e, no mundo, transforma, milhões de toneladas de sucata em aço, reforçando seu compromisso com o desenvolvimento sustentável das regiões onde atua. As ações das empresas Gerdau estão listadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque e Madri.

Foto: Divulgação /  Orquestra de Câmara de Ouro Branco

Museu de Congonhas

Local recebe Selmma Carvalho e Fernando Muzzi

Apresentação faz parte do projeto Caixa Acústica e pretende lotar com o Super Show

O Projeto Caixa Acústica, iniciativa apoiada pela Gerdau, promove no dia 11 de maio, a apresentação da cantora Selmma Carvalho e do violonista e arranjador Fernando Muzzi. O espetáculo será realizado às 20h, no teatro do Museu de Congonhas. Os ingressos custam R$ 2 e podem ser adquiridos na bilheteria do espaço cultural.

No show de Congonhas, os músicos apresentarão canções autorais, como Deus Emprego, Alegra-me, Duas Faces, Você e Estrela, de Fernando Muzzi; Âncora, de Selmma Carvalho; além de canções de Vitor Ramil (Coisas de Você), Zeca Baleiro (Giorgio Armani), Sergio Sampaio (Cada Lugar na sua Coisa), Fred Martins e Francisco Bosco (Canção do Amor Doméstico), dentre outras canções. Selmma (ao teclado) e Muzzi (ao violão) fazem seu próprio acompanhamento.
O Projeto Caixa Acústica conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo (FUMCULT) e da Prefeitura Municipal de Congonhas, com produção executiva da TW Cultural de Belo Horizonte, e o patrocínio da Gerdau, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Sobre os cantores
Selmma Carvalho é uma das mais versáteis cantoras mineiras. No palco e nos discos, navega com competência, bom gosto e ousadia por um vasto repertório. Na sua discografia, ela possui quatro CDs: Selmma Carvalho, Cada Lugar na sua Coisa, O que será que está na moda e Minha Festa (em que estreia como compositora). A voz afinada, de timbre agradável, conquista o ouvinte pela mistura de naturalidade e bom gosto.

Fernando Muzzi é cantor, compositor e arranjador de Belo Horizonte. Lançou, em 1993, Corpus, seu primeiro disco, com direção de Juarez Moreira. Baladas românticas, soul e sambas recheiam seu universo sonoro, cada vez mais enriquecido pela crescente experiência de direção musical, que sempre o coloca em contato com os mais variados repertórios e artistas. Desde 1991 vem se envolvendo com trilhas para teatro e cinema, pelas quais foi reconhecido e premiado. Em 2006, lançou Confluências, disco autoral que vai do fado ao blues, passando pelo soul, bossa nova, salsa e baião.

Serviço:
Projeto Caixa Acústica - Selmma Carvalho e Fernando Muzzi
Datas: 11 de maio às 20h.
Ingressos: R$ 2,00
Local: Museu de Congonhas (Rua Bom Jesus, 250).
Informações: (31) 3731-3979

Foto: Os cantores Selmma Carvalho e Fernando Muzzi

Sub-categorias