Busca

Aumento de casos em Minas

domingo, 21 de Janeiro de 2018 às 15:26 - por, redacao.

Febre amarela


Cidade de Congonhas busca intensificar vacinação.


Em decorrência do aumento dos casos de febre amarela em humanos na região metropolitana de Belo Horizonte e somente em macacos na região das Vertentes, a Prefeitura de Congonhas, por intermédio da Secretaria de Saúde, reforça junto a população a necessidade de vacinação de todos os moradores das áreas urbana e rural. Em dezembro, foi confirmada a circulação do vírus da febre amarela na cidade. Por isso, as equipes de Saúde da Família estão realizando a vacinação casa a casa nas áreas rurais de pessoas sem comprovação te já ter recebido a dose da febre amarela. No meio urbano, está sendo feito o levantamento nominal das pessoas com pendência de vacinação e o trabalho de convencimento destes usuários para que se imunizem.

As pessoas devem se imunizar na unidade de saúde mais próxima de sua residência, de segunda a sexta-feira, de 7h às 16h, e no horário do trabalhador, que se estende até às 19h um dia por semana em cada uma delas. Idosos, gestantes e mulheres amamentando, que anteriormente não eram vacinados, estão sendo avaliados criteriosamente e recebendo a vacina, caso não apresentem contraindicações.

Para se vacinar, basta levar o cartão de vacina e um documento de identificação. Quem ainda não o possui ou o perdeu deve procurar uma UBS para regularizar a situação. A única forma de impedir a contaminação pelo vírus é a vacina.

Por ser área endêmica (que é o local de circulação permanente do vírus) da febre amarela, Congonhas e todo o estado de Minas Gerais utiliza a dose integral da vacina, que tem validade para toda a vida, enquanto a fracionada vale somente por 8 anos.

Carnaval

A recomendação para quem vai viajar no Carnaval e ainda não está imunizado é receber a vacina até 10 dias antes, para estar devidamente protegido. A Secretaria Municipal de Saúde se empenha, desde o surto do início de 2017, tem antecipado as atividades necessárias para evitar o surgimento de casos em humanos e proteger a população de Congonhas.

Foto & Fonte: Assessoria de Comunicação – Secom/ PMC